Lesões musculares induzidas pelo exercício (fase inicial)

A presença de certas variantes genéticas pode explicar porque é que algumas pessoas têm menos probabilidades de se lesionarem do que outras, bem como ter uma recuperação mais fácil de um exercício prolongado e extenuante. Saber como alguém irá responder a um determinado tipo de exercício pode orientar-nos na personalização do nosso treino, ao mesmo tempo que reduz o risco de lesões associadas à sobrecarga muscular.

O exercício pode produzir danos musculares através de uma série de dois tipos de alterações, algumas de início precoce e de origem mecânica, enquanto outras são uma consequência das anteriores e são devidas ao processo inflamatório desencadeado.

O treino de exercício excêntrico é um dos modelos mais comummente utilizados. O exercício excêntrico é o exercício em que os músculos são esticados mantendo a sua contracção, tais como os agachamentos.

Este tipo de exercício é incluído com sucesso no treino numa variedade de contextos desportivos para melhorar a força muscular, a coordenação e o desempenho. Sabe-se que ocorrem alterações nas propriedades elásticas dos músculos e do tecido conjuntivo. No entanto, como contém uma fase excêntrica de exercício, está altamente associada a danos musculares e dor.

Como as pessoas mais velhas parecem ser mais susceptíveis a lesões musculares induzidas pelo exercício do que os adultos mais jovens, as pessoas mais velhas com predisposição genética para o aumento das lesões musculares podem estar em maior risco de desenvolver lesões musculares e tendinosas.

Genes analisados

ACTN3 MYLK2

Bibliografia

Baumert P, Lake MJ, Stewart CE, Drust B, Erskine RM. Genetic variation and exercise-induced muscle damage: implications for athletic performance, injury and ageing. Eur J Appl Physiol, 2016; 116(9):1595–625.

Ben-Zaken S, Eliakim A, Nemet D, Rabinovich M, Kassem E, Meckel Y. ACTN3 Polymorphism: Comparison Between Elite Swimmers and Runners. Sport Med, 2015;1(1):13.

Deuster PA, Contreras-Sesvold CL, O’Connor FG, Campbell WW, Kenney K, Capacchione JF, et al. Genetic polymorphisms associated with exertional rhabdomyolysis. Eur J Appl Physiol, 2013; 113(8):1997–2004.

Pimenta EM, Coelho DB, Cruz IR, Morandi RF, Veneroso CE, de Azambuja Pussieldi G, et al. The ACTN3 genotype in soccer players in response to acute eccentric training. Eur J Appl Physiol, 2012; 112(4):1495–503.

Ainda não fez um teste de DNA?

Faça seu teste genético e descubra tudo sobre si.

starter

Ancestralidade, Traços e Bem-estar

advanced

Saúde, Ancestralidade, Traços e Bem-estar

Promoção CYBER MONDAY

Até 28 de novembro

Até -25% em nossos testes de DNA

Código CYBER25