Níveis de ácidos graxos ômega de cadeia longa

Os ácidos gordos omega-3 e omega-6 são os principais ácidos gordos polinsaturados de cadeia longa. Não podem ser sintetizados no nosso corpo e têm múltiplas funções, embora a mais reconhecida seja a sua participação nos processos do sistema imunitário, onde um tem actividade pró-inflamatória enquanto o outro tem actividade anti-inflamatória.

Os ácidos gordos polinsaturados de cadeia longa são ácidos gordos que geralmente contêm 20 ou mais carbonos e duas ou mais ligações duplas que se dividem em dois grupos: ómega 3 e ómega 6, dependendo de onde na molécula se encontra a primeira ligação dupla.

Actualmente, os três ácidos gordos polinsaturados ómega 3 (PUFAs) mais relevantes clinicamente são: α-ácido linolénico (ALA), ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosahexaenóico (DHA).

Os seres humanos não possuem as enzimas necessárias para sintetizar os ácidos gordos ómega 3, pelo que são considerados ácidos gordos essenciais, uma vez que devem ser obtidos a partir da dieta.

O ácido alfa-linolinoleico (ALA) é um ómega-3 comum encontrado em sementes e frutos secos, entre outros alimentos, e pode ser convertido em ácido docosahexaenóico (DHA) e ácido eicosapentaenóico (EPA) dentro do organismo.

Os ácidos gordos omega-3 são responsáveis por numerosas funções celulares, tais como sinalização, fluidez da membrana celular e manutenção estrutural. Também regulam o sistema nervoso, tensão arterial, coagulação sanguínea, tolerância à glicose e processos inflamatórios, pelo que podem ser úteis em todas as condições inflamatórias.

O facto de os ácidos gordos ómega-3 terem actividade anti-inflamatória está em contraste com a funcionalidade dos ácidos gordos ómega-6, que têm actividade pró-inflamatória.

A dieta ocidental moderna mudou drasticamente em termos do conteúdo nutricional das gorduras, seguindo recomendações para substituir alimentos ricos em ácidos gordos saturados por aqueles ricos em ácidos gordos polinsaturados, a fim de reduzir o colesterol sérico total e as lipoproteínas LDL e, assim, o risco de doenças cardiovasculares. No entanto, a dieta moderna é mais rica em ácidos gordos de óleos de soja, milho e canola, bem como margarinas e encurtados que são ricos em ómega-6 e pobres em ómega-3. O aumento do consumo de ómega-6, por sua vez, resulta numa maior inibição da produção de ómega-3 sintetizada pelo nosso organismo, que, se não for compensada pelo consumo de ómega-3, pode ter um impacto na nossa saúde.

Genes analisados

FADS1

Bibliografia

Dumont J., Goumidi L.., et al. Dietary linoleic acid interacts with FADS1 genetic variability to modulate HDL-cholesterol and obesity-related traits. Clin Nutr. 2018 Oct;37(5):1683-1689

Lattka E., Illing T., et al. Do FADS genotypes enhance our knowledge about fatty acid related phenotypes? Clin Nutr. 2010 Jun;29(3):277-87

Lemaitre R.N., Tanaka T., et al. Genetic loci associated with plasma phospholipid n-3 fatty acids: a meta-analysis of genome-wide association studies from the CHARGE Consortium. PLoS Genet. 2011 Jul;7(7):e1002193.

Krupa K., Fritz K., et al. (2022) Omega-3 Fatty Acids. StatPearls.

Gammone M.A., Riccioni G.., et al. Omega-3 Polyunsaturated Fatty Acids: Benefits and Endpoints in Sport. Nutrients. 2019 Jan; 11(1): 46.

Ainda não fez um teste de DNA?

Faça seu teste genético e descubra tudo sobre si.

starter

Ancestralidade, Traços e Bem-estar

advanced

Saúde, Ancestralidade, Traços e Bem-estar

Promoção CYBER MONDAY

Até 28 de novembro

Até -25% em nossos testes de DNA

Código CYBER25