tellmegen logo

BEM ESTAR

Dano muscular induzido por exercício (segunda fase)

Algumas variações genéticas ou polimorfismos têm sido associados a lesões musculares induzidas pelo exercício (ou seja, indivíduos com determinados genótipos sofrem maior lesão muscular e necessitam de uma recuperação mais prolongada, após exercício extenuante). Saber como alguém é susceptível de responder a um determinado tipo de exercício pode ajudar os treinadores/ praticantes a individualizar o treino de exercício dos seus atletas/pacientes, maximizando assim a recuperação e adaptação, ao mesmo tempo que reduz o risco de lesões associadas à sobrecarga.

FASES DE LESÃO MUSCULAR

O exercício pode produzir dano muscular através de uma série de alterações de dois tipos, algumas de início precoce e de origem mecânica, enquanto outras são consequências das anteriores e consistem no processo inflamatório.

A SEGUNDA FASE DO DANO DO MÚSCULO EXERCÍCIO INDUZIDO consiste em uma resposta inflamatória. Os produtos degenerativos da fibra muscular, especialmente os polissacarídeos teciduais, através do processo chamado quimiotaxia, produzem que os leucócitos se aproximam da célula para iniciar o processo inflamatório. Com o dano muscular induzido pelo exercício, há também um aumento das citocinas, principalmente IL1B, IL6 e TNFα, ativadas pelo aumento dos radicais livres e prostaglandinas, que aumentam o processo inflamatório. Polimorfismos ou variantes nos genes que codificam essas citocinas parecem estar envolvidos no desenvolvimento dessa segunda fase inflamatória da lesão muscular

GENE OU REGIÃO ESTUDADA


  • IL1B
  • IL-6
  • TNF