Fenitoína (Dosagem)

A fenitoína é uma droga anti-epiléptica comummente utilizada que inibe a actividade cerebral indesejada. O CYP2C9 é uma das principais enzimas envolvidas no seu metabolismo e certos alelos deste citocromo podem influenciar os níveis plasmáticos do fármaco.

A fenitoína é uma droga anti-epiléptica que inibe a propagação da actividade convulsiva no córtex motor cerebral: estabiliza o limiar ao promover a difusão do sódio dos neurónios. Também é utilizado como anti-arrítmico, uma vez que estabiliza as células do miocárdio.

A fenitoína está contra-indicada em doentes com hipersensibilidade às hidantoínas, bradicardia sinusal, bloqueio sinoatrial, bloqueio atrioventricular de 2º e 3º grau e síndrome de Adams-Stokes.

PRECAUÇÕES

Deve ter-se cuidado antes de prescrever fenitoína nos idosos. Também em doentes com deficiência hepática, hipotensão ou insuficiência cardíaca grave.

A fenitoína pode causar osteomalacia, hiperglicemia, hiperplasia, hemorragia gengival, leucopenia e, utilizada antes do parto, hemorragia materna ou neonatal.

Durante o tratamento com fenitoína, evitar a ingestão de álcool. Durante o tratamento, monitorizar os níveis de soro dos medicamentos para o risco de toxicidade. Existe também um risco de tolerância e dependência, ideação e comportamento suicida, pelo que o tratamento deve ser gradualmente interrompido.

Se aparecerem sintomas ou sinais de síndrome de Steve Johnson e necrólise epidérmica crónica (erupção cutânea progressiva com bolhas ou lesões mucosas), interromper o tratamento.

Não administrar intramuscularmente, pois existe o risco de irritação e inflamação dos tecidos no local da injecção. A prudência deve ser exercida com o método de administração.

Monitorizar sinais vitais e electrocardiograma durante a infusão de fenitoína.

EFEITOS LATERIAIS

Nistagmo, ataxia, perturbações da fala, confusão mental, tonturas, insónias, nervosismo transitório. Náuseas, vómitos, obstipação. Morbilliforme ou erupção cutânea escarlate. Trombocitopenia, leucopenia, granulocitose, agranulocitose, pacitopenia. Hiperplasia gengival.

Se administradas por via intravenosa, podem também ocorrer outras reacções adversas mais graves, tais como: reacções cardiotóxicas graves com depressão atrial e de condução ventricular e fibrilação ventricular, periarterite nodosa; irritação local, inflamação, hipersensibilidade, necrose e escândalo no local da administração.

INTERACÇÕES DE DROGAS

Os níveis séricos de fenitoína são aumentados por: cloranfenicol, dicoumarol, dissulfiram, tolbutamida, isoniazida, fenilbutazona, salicilatos, clordiazepóxido, fenotiazinas, diazepam, estrogénios, etosuximida, halotano, metilfenidato, sulfonamidas, trazodona, amiodarona, fluoxetina e succinimidas.

Os níveis de fenitoína sérica podem ser reduzidos em: carbamazepina, reserpina, diazoxide, ácido fólico e sucralfato.

Os níveis séricos de fenitoína podem ser aumentados ou diminuídos por: fenobarbital, ácido valpróico e valproato de sódio.

Há um risco de convulsões se prescrito concomitantemente com antidepressivos tricíclicos.

Pode ocorrer depressão cardíaca excessiva se for tomada concomitantemente com lidocaína.

A fenitoína diminui a eficácia de: corticosteróides, anticoagulantes cumarínicos, contraceptivos orais, quinidina, vitamina D, digitoxina, rifampicina, doxiciclina, estrogénios, furosemida e teofilina.

A fenitoína potencia a depressão do sistema nervoso central (SNC) causada pelo álcool e outros depressores do SNC.

NOMES COMERCIAIS

  • Epanutin ® Epanutin
  • Synergin ®

Genes analisados

CYP2C9

Bibliografia

Caudle KE, Rettie AE, Whirl-Carrillo M, et al.Clinical pharmacogenetics implementation consortium guidelines for CYP2C9 and HLA-B genotypes and phenytoin dosing. Clin Pharmacol Ther. 2014 Nov;96(5):542-8.

Dean L, Kane M. Terapia com fenitoína e HLA-B * 15: 02 e genótipo CYP2C9. 22 de setembro de 2016 [atualizado em 7 de abril de 2021]. Em: Pratt VM, Scott SA, Pirmohamed M, Esquivel B, Kattman BL, Malheiro AJ, editores. Resumos de Genética Médica [Internet]. Bethesda (MD): Centro Nacional de Informação Biotecnológica (EUA); 2012-.

Karnes JH, Rettie AE, Somogyi AA, et al. Diretriz do Consórcio de Implementação de Farmacogenética Clínica (CPIC) para genótipos CYP2C9 e HLA-B e dosagem de fenitoína: atualização de 2020. Clin Pharmacol Ther. 2021 Fev;109(2):302-309.

Ainda não fez um teste de DNA?

Faça seu teste genético e descubra tudo sobre si.

starter
Test ADN Starter

Ancestralidade, Traços e Bem-estar

Comprar
starter
Test ADN Advanced

Saúde, Ancestralidade, Traços e Bem-estar

Comprar
Summer Sale Apenas até 25 de julho em nossos testes de DNA. Utilize o nosso código SUMMER15
Comprar