Warfarin (Dosagem)

A varfarina é uma das drogas anticoagulantes mais utilizadas actualmente, embora a sua estreita margem terapêutica implique um elevado risco de complicações hemorrágicas. Os estudos genéticos das variantes dos genes envolvidos no seu metabolismo podem orientar a dose necessária para manter um efeito anticoagulante eficaz e seguro.

A varfarina é um anticoagulante oral anti-vitamina K. Esta droga inibe a formação no fígado de fatores ativos de coagulação II, VII, IX e X inibindo a carboxilação gama de proteínas precursoras mediadas pela vitamina K.

CONTRAINDICAÇÕES

Warfarin é contra-indicada nos seguintes casos:

Hipersensibilidade

Gravidez.

Falta de cooperação do paciente.

Diátese hemorrágica e/ou discrasia hemática. Lesões orgânicas susceptíveis a hemorragias. Intervenções cirúrgicas recentes ou planejadas no SNC, operações oftalmológicas ou cirurgias expondo grandes áreas de tecido.

Úlcera ou hemorragias gastrointestinais, urogenitais ou respiratórias, hemorragias cerebrovasculares, pericardite, derrames pericárdicos, endocardite lenta.

Hipertensão arterial grave, lesões graves do parênquima hepático e renal. Aumento da atividade fibrinolítica.

Dose elevada de AINEs (anti-inflamatórios não-esteróides), miconazol (via geral e gel oral), fenilbutazona (via geral), doses elevadas de AAS e outros salicilatos.

PRECAUÇÕES:

Precauções devem ser tomadas na prescrição de varfarina nos seguintes casos:

Se houver risco de sangramento, necrose (se existir, substituir por heparina), liberação de êmbolos ou placas ateromatosas.

Insuficiência renal moderadamente grave, insuficiência hepática moderadamente grave, hipertensão arterial moderadamente grave, doenças infecciosas ou alterações da flora intestinal, cateteres, deficiência na resposta anticoagulante mediada pela proteína C ou seu cofator, proteína S (risco de necrose tecidual); monitorar INR (International Normalized Ratio of Warfarin).

Não há dados que justifiquem o seu uso em crianças, interromper o tratamento se aparecer calcifilaxia (existe um risco aumentado na doença renal avançada em diálise).

EFEITOS SECUNDÁRIOS

Sangue em qualquer órgão.

INTERAÇÕES FARMACOLÓGICAS

O efeito da varfarina é inibido por: indutores enzimáticos (aminoglutetimida, carbamazepina, fenazona, griseofulvina, fenobarbital, secobarbital, rifampicina, H. perforatum), drogas que reduzem sua absorção (sucralfate, ácido ascórbico), vitamina K, ginseng e alimentos ricos em vitamina K (cereais, brócolis, couve, cenoura, miúdos de galinha).

O efeito da varfarina é aumentado por:

  • Inibidores enzimáticos (alopurinol, dextropropoxifeno, tramadol, amiodarona, ciprofloxacina, claritromicina, eritromicina, norfloxacina, ofloxacina, pefloxacina, cloranfenicol, cimetidina, omeprazol, ranitidina, cisapride, dissulfiram, fluvastatina, lovastati
  • Drogas que a deslocam de sua ligação às proteínas plasmáticas (ácido etacrônico, ácido nalidíxico, diclofenaco, fenilbutazona, feprazona, ibuprofeno, cetoprofeno, ácido mefenâmico, sulindac, benziodarona, bicalutamida, carnitina, gemfibrozil, hidrato de cloral, mic
  • Diminuição da disponibilidade de vitamina K (levotiroxina, neomicina, cefamandole, clofibrato, estanozolol).
  • Drogas que diminuem a síntese de fatores de coagulação (danazol, paracetamol, quinidina, quinino, vitamina E, etanol).
  • AAS, diflunisal.
  • Doxiciclina, tetraciclina (hipoprotrombinemia).
  • Clindamicina: pode aumentar a atividade anticoagulante com aumento dos valores dos testes de coagulação (tempo de protrombina TP/ INR) e/ou sangramento.
  • Outros: benzbromarona, propranolol, piracetam.

A varfarina aumenta o tempo de protrombina na prescrição concomitante com: sulfametoxazol, flutamida.

A varfarina diminui o tempo de protrombina com: clortalidona, espironolactona.

O efeito anticoagulante da varfarina pode ser variável pela ingestão de: contraceptivos orais, fenitoína, disopiramida, colestiramina.

NOMES DE MARCAS

  • Coumadin ®
  • Aldocumar ®
  • Jantoven ®

Genes analisados

CYP2C9 CYP4F2 p13 VKORC1

Bibliografia

Johnson JA, Gong L, Whirl-Carrillo M, Gage BF, Scott SA, Stein CM, et al. Clinical Pharmacogenetics Implementation Consortium Guidelines for CYP2C9 and VKORC1 Genotypes and Warfarin Dosing. Clin Pharmacol Ther, 2011; 90(4):625–9.

Kawai VK, Cunningham A, Vear SI, Van Driest SL, Oginni A, Xu H, et al. Genotype and risk of major bleeding during warfarin treatment. Pharmacogenomics, 2014; 15(16):1973–83.

Shaw K, Amstutz U, Kim RB, Lesko LJ, Turgeon J, Michaud V, et al. Clinical Practice Recommendations on Genetic Testing of CYP2C9 and VKORC1 Variants in Warfarin Therapy. Ther Drug Monit, 2015; 37(4):428–36.

Nunnelee JD. Review of an Article: The international Warfarin Pharmacogenetics Consortium (2009). Estimation of the warfarin dose with clinical and pharmacogenetic data. NEJM 360 (8): 753-64. J Vasc Nurs, 2009; 27(4):109.

Schelleman H, Chen J, Chen Z, Christie J, Newcomb CW, Brensinger CM, et al. Dosing algorithms to predict warfarin maintenance dose in Caucasians and African Americans. Clin Pharmacol Ther, 2008; 84(3):332–9.

Schwarz UI, Ritchie MD, Bradford Y, Li C, Dudek SM, Frye-Anderson A, et al. Genetic Determinants of Response to Warfarin during Initial Anticoagulation. N Engl J Med, 2008; 358(10):999–1008.

Ainda não fez um teste de DNA?

Faça seu teste genético e descubra tudo sobre si.

starter
Test ADN Starter

Ancestralidade, Traços e Bem-estar

Comprar
starter
Test ADN Advanced

Saúde, Ancestralidade, Traços e Bem-estar

Comprar
O teste de DNA que você estava procurando
Comprar